Análises, Cinema

Star Wars: Trilogia Anakin – Análise

Para os aficionados e fãs do Universo de Star Wars (que comemoraram certamente o dia 4 de maio), os mais desatamentos ou os que apenas seguem a CaixaNerd, já devem ter reparado que a nossa equipa fez uma pequena celebração desta franquia, e como tal, decidimos comemorar o mês de maio como o Mês de Star Wars, assim sendo, temos diariamente visto no nosso Discord um filme deste Universo, tal como foi anunciado anteriormente (aqui).

No passado domingo (8 de maio), iniciamos a saga de filmes da trilogia de Anakin (prequela dos filmes originais), sendo que já vimos a trilogia original (onde seguimos a saga de Luke Skywalker, Han Solo e Princesa Leia). Como tal, trazemos-vos a análise das longas-metragens de Anakin (sendo que hoje será o final desta trilogia).

Star Wars: A Trilogia de Anakin, é composta por 3 filmes, sendo eles Star Wars: Episode I – The Phantom Menace, Star Wars: Episode II – Attack of the Clones e Star Wars: Episode III – Revenge of the Sith. Estes foram produzidos entre 1999 e 2005, com direção e argumento de George Lucas (o homem por trás do Universo de Star Wars, o criador e diretor do filme original, sendo posteriormente produtor executivo e argumentista nos 2 filmes seguintes, regressando 2 décadas depois para dirigir esta trilogia de prequela) e composição musical de John Williams (o mestre por detrás da composição musical da trilogia original de Star Wars, além de composições em filmes como Harry Potter, Indiana Jones, E.T., Jaws, Jurassic Park, entre outros). Estes três filmes foram produzidos pela Lucasfilm Ltd. e foi a última trilogia a ser distribuída pela 20th Century Fox. Esta trilogia retrata a corrupção da República, a aniquilação da Ordem Jedi e a ascensão do Império, sob poder do Lord Sith e futuro Imperador Palpatine.

Estas longas-metragens são compostas por um elenco jovem na altura, mas recheado de estrelas, sendo que alguns deles mantêm-se no elenco principal nos 3 filmes, como são o caso de Natalie Portman (atriz americana nascida em Israel, com uma extensa carreira no Mundo do cinema assim como uma vasta lista de nomeações e prêmios pelos seus trabalhos, destacando-se o seu Óscar como atriz principal no filme Black Swan. Para além deste filme, destaca-se as suas interpretações em The Diary of a Young Girl, Closer, No Strings Attached, V for Vendetta, Jackie, etc. Além de ser conhecida na franquia de Star Wars, ela também pertence à franquia da MCU, através do seu papel de Jane Foster nos filmes de Thor), Ewan McGregor (renomado ator escocês que alcançou fama internacional com os seus desempenhos nos filmes de Trainspotting, T2 Trainspotting, Moulin Rouge!, Black Hawk Down, Big Fish, etc. E brevemente o iremos a voltar a desempenhar o seu papel como Obi-Wan Kenobi na minissérie Disney Plus de 2022 na série com o mesmo nome), Hayden Christensen (ator e produtor canadense tendo sido bastante aclamado pela a sua atuação em Life as a House, Shattered Glass, Jumper, entre outros. Sendo que dentro de poucos dias o voltaremos ver a interpretar de Darth Vader na minissérie Disney Obi-Wan Kenobi), Ian McDiarmid (ator britânico reconhecido principalmente por assumir o papel de Darth Sidious na série de filmes Star Wars, além de um vasto portefólio de longas-metragens, como por exemplo: Macbeth, Sleepy Hollow, The Lost City of Z, Dragonslayer), Ahmed Best (ator norte-americano famoso por dar corpo e voz à personagem Jar Jar Binks em Star Wars), Anthony Daniels (ator britânico famosos por dar corpo e voz à personagem C-3PO em Star Wars), Kenny Baker (ator britânico famoso por dar corpo e voz à personagem R2D2 em Star Wars, sendo o seu último papel em Star Wars: The Force Awakens, entre outros filmes), Frank Oz (ator britânico mundialmente conhecido pela sua participação em filmes como: The Muppet Movie, Labyrinth, Zathura, Inside Out e principalmente pela sua interpretação da personagem Yoda em Star Wars). Além destes temos participações menos recorrentes ou que apenas surgem em apenas num filme, como são o caso de Samuel L. Jackson, Ray Park, Christopher Lee, entre outros.

A Estória numa galáxia muito distante…

O episódio I, inicia numa galáxia muito distante, em que o líder da República Galática envia um mestre Jedi Qui-Gon Jinn e o seu aprendiz Obi-Wan Kenobi para que estes negociem uma forma de acabar com o bloqueio comercial de Naboo.

Durante esta jornada, os dois protagonistas resgatam um Gungan, uma espécie muito peculiar, chamado Jar Jar Binks, que os permite chegar ao seu líder e assim este ajudar os nossos heróis com as questões políticas em Naboo e por consequente o resgate da Rainha Amidala.

Após todos estes eventos, Qui-Gon e Obi-Wan são obrigados a pararem num planeta desértico, mais conhecido por Tatooine, e nesse planeta encontram uma criança única, que é refém e escravo de Watto.

Esta criança desperta um interesse estranho em Qui-Gon, principalmente devido à força presente no jovem, conhecido como Anakin Skywalker. Mas, além do jovem, os dois Jedi, encontram algo que acham que estaria extinto, um portador do lado negro da força, Darth Maul, um aprendiz de Darth Sidious para capturar Amidala.

O Deserto de Tatooine…

Dez anos após os eventos em Star Wars: Episode I, marcados pela invasão da Federação do Comércio ao planeta Naboo e pelo regresso dos Sith, a ameaça mantém-se iminente por um ex-mestre Jedi, o Conde Dooku.

Após se tornar Senadora, a ex-rainha Amidala, viaja para a capital do comércio com dois guardas Jedi, sendo um deles Obi-Wan Kenobi, que se tornou mestre e o seu jovem aprendiz Anakin Skywalker, que após do seu resgate de Tatooine tornou se num aprendiz Jedi. Pela insistência de Qui-Gon Jinn, e os dois heróis acabam por pôr fim a uma tentativa de assassinato, que na verdade é uma metamorfa, que deixa Obi-Wan curioso.

Assim,o jovem mestre entrega a escolta da Senadora a Anakin, enquanto investiga, por curiosidade, está por detrás destes eventos, que o leva a um remoto, planeta Kamino, onde descobre que está a ser criado um extenso exército de clones preparados para a guerra.

Enquanto isso, Anakin descobre informações sobre o seu passado, principalmente da localização da sua mãe, que o leva a agir sem pensar, descobrindo assim uma tragédia que decorreu no deserto de Tatooine. Contudo, apesar dessa tragédia Anakin, descobre algo precioso: o amor proibido entre ele e a Senadora Padmé Amidala, algo que os dois tentam esconder e lutar contra tudo e todos.

A Ascensão do Escolhido…

O terceiro episódio desta trilogia inicia com os dois cavaleiros de Jedi, Obi-Wan e Anakin, a resgatarem o Chanceler Palpatine, que é refém do Conde Dooku (Darth Tyranus). Anakin é corrompido pelas trevas a agir pela raiva e impulso e assim assassinar Darth Tyranus.

Já no regresso, o jovem protagonista tem boas notícias pela sua amada, pois ela está grávida de gêmeos. Apesar de serem boas novas, é mais um fator para que o seu romance se mantenha em segredo, pois tal feito vai contra a filosofia Jedi, pois o próprio pensamento de um Jedi pode estar mais liberto a ser corrompido pelo mal devido a este tipo de eventos.

Vendo tudo em seu redor, Anakin rapidamente se apercebe que todos podem ser uma ameaça para si e para sua família, acabando por procurar poder nas trevas do seu coração, aliando-se assim a Darth Sidious.

Numa tentativa de salvar a sua amada e os seus filhos, na verdade Anakin torna se no inimigo iminente de todo o conselho Jedi, permitindo se assim renascer como Sith para que tenha o poder necessário para combater todos aqueles que lhe façam frente. Mas, apenas um o pode salvar, pois o seu mestre Obi-Wan Kenobi com o conhecido que o Qui-Gon Jinn, acredita que pode salvar não só Anakin das trevas mas também Padmé.

A Descência de Skywalker…

Esta trilogia, que antecede a original, tem o propósito de nos contar a estória do nascimento de Darth Vader, aquele que por muitos foi considerado o maior manipulador da “força”. Esta saga, surge cerca de 20 anos após o primeiro filme de Star Wars, e neste caso George Lucas, que já tinha sido bastante inovador na altura na forma como utilizou os efeitos especiais de modo a elevar o filme, nestes aprimora-os ainda mais, tentando tornar todo este Universo mais vivo e diversificado.

Mantendo a sua visão e estória, esta trilogia dá-nos a resposta que muitos procuravam nos títulos anteriores, porém, gera novas questões, principalmente na ambiguidade de ser “Bom ou Mau”, ou mesmo na questão “quase religiosa” que os Jedi têm, pois pelo simples facto de termos um pensamento que “desafie” ou seja diferente dos seus ensinamentos, isto é suficiente para sermos considerados “maus”. Este é um tópico que está sempre presente e é elevado ao extremo, passando para o espectador todas as questões éticas que estão relacionadas com a filosofia Jedi.

A nível de direção e condução da narrativa, nem sempre esta trilogia conseguiu brilhar como a sua antecessora, sendo que por vezes fica atrás desta, contudo, se nos abstrairmos do que conhecemos e só focarmos nestas três longas-metragens, verificamos que toda a narrativa é bastante complexa, assentando na base da cultura extremista dos Jedi (tal como mencionado anteriormente). Todo o desenvolvimento e estrutura política deste Universo, que tem um peso extremamente importante e grandioso na narrativa, principalmente em Star Wars: Episode II – Attack of the Clones, onde são criados os primeiros soldados do Império, paralelamente o desenvolvimento de romance proibido (sendo quase um desafio à altura da obra de Shakespeare, Romeo and Juliet). Devido a todos estes pontos díspares e fulcrais da narrativa, torna-se difícil de garantir o mesmo tempo, espaço e desenvolvimento, sendo que em alguns momentos uns são sacrificados, para que os que o diretor achou mais relevantes tivessem um maior envolvimento narrativo, o que nem sempre foi a melhor decisão, levando-nos a constatar que toda esta trilogia poderia beneficiar de uma narrativa um pouco mais simples ou apenas focada numa das estórias a ser contadas.

A nível de desempenho dos atores, Ewan McGregor consegue ter uma interpretação bastante sólida e consistente nas 3 longas-metragens, já Natalie Portman desempenhou um trabalho inconsistente ao longo destes filmes (tendo um bom arranque em Star Wars: Episode I – The Phantom Menace, atinge o seu esplendor em Star Wars: Episode II – Attack of the Clones, mas nem sempre com uma interpretação consistente, mas, o seu desempenho decaiu consideravelmente em Star Wars: Episode III – Revenge of the Sith), sendo que a sua personagem perde “força” em prol de um maior desenvolvimento da personagem de Anakin no último filme da trilogia. Destaca-se que Hayden Christensen é, o que teria a tarefa mais difícil no núcleo central, pois o seu personagem tem diversas quebras de personalidade, além de ser bastante inconsistente emocionalmente, o que levaria a um esforço adicional do ator, porém, com pena dos espectadores, este nem sempre conseguiu desempenhar um bom trabalho como o necessário. Observa-se que existem alguns momentos interpretativos bastante bons e divertidos do ator, contudo nos mais críticos ou em de transição do temperamento e/ou quebra emocional da personagem, a sua interpretação falha em relação ao desejável. Do restante elenco, que não é tão presente, destacam-se Liam Neeson e Christopher Lee muito pela positiva, tendo um desempenho brilhante. Destaca-se também ainda Ian McDiarmid, que de forma geral consegue desempenhar um bom papel, os restantes atores presentes nesta trilogia, de forma geral apresentam um bom desempenho de atuação.

No que diz respeito à banda sonora, sonografia e efeitos visuais, tal como seria de esperar do Universo de Star Wars, estes não desiludem, conseguindo assim manter o registo e marco importante na indústria do cinema, que já nos é habitual. A composição musical continua bastante presente e bem enquadrada em todas as cenas, tornando todos os momentos mais envolventes e calorosos para o público, assim como os efeitos visuais, que se destacam muito pela positiva.

Em suma, esta trilogia de Anakin (ou a trilogia de prequela da trilogia original), é uma boa estória de prequela da trilogia, podendo não ser para muitos tão icônica como a original, mas, de forma geral cumpre com o objetivo de nos revelar o nascimento de Darth Vader e todos os problemas inseridos numa diplomacia tão “perfeita” que estava implementada (recheada de corrupção e tirania) até à soberania do Império que revela todos os podres desta “sociedade” e à abominação da ordem dos Jedis. A nível de narrativa, apesar de nem sempre ter apenas um foco principal para um melhor desenvolvimento, consegue entregar uma boa estória dentro deste Universo. Em termos técnicos, esta trilogia continua tão brilhante como o esperado, e consegue reacender o espírito galáctico de Star Wars. As interpretações dos atores, de forma geral são bem conseguidas, salvo alguns momentos ou cenas, tal como referido anteriormente, McGregor é quem consegue manter uma consistência de bom nível ao longo dos 3 filmes, Natalie Portman tem um crescendo, mas a personagem perde força no último filme da trilogia para permitir que outra personagem tenha mais espaço para se desenvolver, e no caso de Hayden Christensen este tendo a interpretação mais exigente devido à complexidade da personagem, nem sempre correspondeu às expectativas.

Partilhamos, convosco o trailer desta trilogia galáctica do cinema Star Wars: Episode I, II e III

Star Wars: Episode I – The Phantom Menace

Star Wars: Episode II – Attack of the Clones

Star Wars: Episode III – Revenge of the Sith

7.0
Score

Pros

  • Todo o Mundo Político em torno da diplomacia
  • Interpretação de Ewan McGregor
  • Efeitos Especiais
  • Banda Sonora
  • Desenvolvimento de Anakin
  • Toda a premissa em volta da Ordem dos Jedis

Cons

  • As interpretações de Natalie Portman e Hayden Christensen são inconsistentes
  • Narrativa sacrificada para se focar em diversas estórias em simultâneo

Related posts