Subscribe Now
Trending News
Artigos, TV

One Piece não deve ser julgado pela sua longevidade

Neste caminho chamado vida, existe sempre uma grande decisão imposta em relação em como gastamos o nosso tempo, sendo com filmes, videojogos, series, anime, entre outros.  Sempre me baseei nesta ideologia: “se o conteúdo for muito longo, normalmente não expressa qualidade” (isto coloca-se com filmes, séries e anime).  

Com esta frase eu demonstro um enorme arrependimento (pelo menos desta vez), pois eu estava errado em relação a One Piece.  

“Eu vou ser o rei dos piratas” 

Para os que estão a coçar a cabeça e a questionar-se, sobre o que se trata este anime/manga, serei breve, sem entrar em Spoilers.  

Esta narrativa composta por Eiichiro Oda é começada com o icónico momento da morte de Gold Roger, o rei dos piratas. Estando prestes a perecer, prenuncia as suas últimas palavras e transmite a seguinte mensagem: “Se quiserem o meu tesouro (One Piece) encontrem-no”. E subitamente inicia-se a era de ouro da pirataria. É a partir desse momento que seguimos, Monkey D. Luffy, o rapaz que tem a ambição de tornar-se o rei dos piratas e encontrar o One Piece.  

Luffy não se trata de um rapaz comum, pois quando era mais pequeno ele devorou por acidente uma Akuma no mi (fruta do diabo), que quando trincada fornece aos demais poderes inimagináveis, no entanto, existe um mas. Quem tiver o poder dado pela akuma no mi, será incapaz de voltar a nadar, afundando-se, como se fosse uma pedra. 

O nosso protagonista teve então por azar ou sorte a possibilidade de obter os poderes de um gomi gomi no mi, a fruta que dá habilidades de uma borracha. 

No decorrer da aventura e com o desenvolver da história somos introduzidos a personagens que tornar-se-ão nos tripulantes do grupo de piratas do Luffy, que mais tarde serão conhecidos como os Chapéus de palha. 

Não é tão longo como comentam 

Para aqueles, que tinham receio de ver o anime devido à sua longa duração, confirmo que One Piece vale bastante a pena o vosso tempo, e que não é assim tão grande como comentam, sendo este um dos fatores que afasta grande parte das pessoas desta grande obra. 

Quanto mais via, mais me surpreendia com a construções da sua narrativa e do mundo. Este título é dos poucos com uma gigantesca construção do mundo, que apesar de ter tantos elementos de fantasia torna-se credível e é sem dúvida uma das melhores atualmente. Só que não é apenas esse elemento que torna One Piece numa grande obra. 

O Luffy acabou de se tornar num dos meus personagens favoritos atualmente, devido à sua personalidade tão única e pela sua reação que surpreende em variados momentos. Não se compara aos personagens principais clichês que se podem encontrar em Shounen populares, tornando assim um dos aspetos que torna a experiência agradável. 

Os seus tripulantes também dão um charme à aventura. Cada um deles tem a sua personalidade e sonhos a cumprir. A interação que eles têm entre eles, demonstra que existe química neste bando de piratas. Com o passar do tempo vemo-los a crescer e a enfrentar vários obstáculos que aparecem subitamente. Contudo, existem situações complicadas em que nem todos estão de acordo com alguma situação e que por vezes acaba por gerar discussões sobre o que é melhor para eles. 

Seja no manga ou no anime, os designs de personagens são bastante criativos e memoráveis por mais bizarros que sejam. As ilhas visitadas parecem à primeira vista infantis graças ao conceito que nos é baseado, contudo há sempre algum elemento obscuro a ser apresentado no lugar visitado. É nestes momentos em que o mangaka pega nos elementos e insere todo um conjunto de temas que vão ser abordados no decorrer do arco, alguns deles pesados. Como muitos dizem, Oda tem a imaginação de uma criança, mas a escrita de um adulto, o que torna este título tão único. 

Um dos aspetos que ao início pode parecer ser extramente repetitivo é a banda sonora. Ao todo são utilizadas a mesmas faixas no decorrer do anime, apesar de mais tarde serem adicionadas novas. Mesmo assim, é um fator que torna está experiência única, composta por uma orquestra, as músicas são colocadas perfeitamente no anime e trazem alguns sentimentos á mistura. Percebo a razão de grande parte da comunidade comentar que o anime é uma experiência com um desenvolvimento bastante arrastado e que acaba por retirar o momentum de algumas sequências. Mas eu tenho a certeza que ficaria com um enorme arrependimento se não presencia-se certas cenas com a algumas das faixas de fundo. 

Experienciar One Piece pelo Manga ou o Anime? 

Como referi à pouco, existe esta luta na comunidade de qual é a melhor experiência. O manga tem o traço do Oda, está cheio de detalhes e tem certos painéis que ficariam tão bem emoldurados e expostos numa parede.  

A narrativa é sequencial e com um desenvolvimento mais rápido e fluente em contraste com o anime. Existem certos momentos que foram censurados na adaptação para animação o que por vezes faz com que se perca o impacto que autor originalmente quer dar. 

O anime, não tem a melhor animação, mas é competente na maior parte das vezes e consegue surpreender em alguns momentos. Tem um andamento lento que por vezes torna-se doloroso com já tinha referido. Isto graças à repetição de certos frames e das animações. Também existe a possibilidade da aparição de fillers (que não costumam ser maus, sem ser aquele arco, vocês sabem de qual estou a falar). E claro, como referi anteriormente a banda sonora é uma boa razão por se optar pelo anime. 

Em vez de o Zoro matar o cão de Helmeppo como no manga, no anime apenas magoa-o

Esta aventura pelos mares pode ser aproveitada de duas formas 

Para quem pretende ficar a par da história de One Piece, o mais rapidamente possível sugiro ler, o manga. Aqueles com o desejo de apreciar esta história com calma aconselho, o anime.  

Não importa qual escolham, acho que ambas são uma boa escolha, para experienciar esta narrativa memorável, criada por Eichiiro Oda com tanto carinho. 

Related posts