Subscribe Now
Trending News
Análises, Jogos

Mario Odissey (Nintendo Switch) – Análise

Super Mario odissey é um jogo da Nintendo lançado para a sua consola Switch em 2017, sendo um dos primeiros jogos da plataforma. Para além de querer dar mais uma nova ropagem à história do nosso amiguinho italiano, o jogo serviu também como teste às potencialidades gráficas e de jogabilidade da na altura nova consola. Mas será que passou no teste?

A História…

Super Mario Odissey tem uma narrativa muito semelhante aos seus “primos” Super Mario (Famicon/NES, 1985/87) ou Mario 64 (N64, 1996), uma vez que o vilão do costume, Bowser, raptou de novo Peach. Desta vez o seu objetivo é um casamento especial com a princesa mais azarada dos videojogos e como tal planeia ir de mundo em mundo no seu navio voador em busca de items que para ele são necessários para o evento. Um deles é Tiara, um dos muitos chapéus habitantes do mundo dos chapéus e que é a irmã de Cappy, novo companheiro de Mario nas suas aventuras.
Mario tem então a missão de perseguir Bowser para resgatar a sua amada, ajudando os mundos por onde o vilão e seus capangas passam, que acabam de alguma forma por ser afetados pela trupe maléfica.
Uma história simples porém funcional, uma vez que une a já tradicional história do canalizador mais conhecido do mundo e acrescenta-lhe uma pitada de novidades por aqui e por ali, bem como um carismático e divertido Cappy, acabando por agradar os mais velhos pela tradição e os mais novos pela simplicidade e diversão. Não nos podemos esquecer que é um jogo com indicação etária de 7 anos. Esperar algo maduro e complexo seria ingénuo.

Como é a Jogabilidade?

A jogabilidade baseia-se num padrão de plataforma convencional e adicionando toda a lista de movimentos que podes fazer com a ajuda de Cappy.
O chapéu permite-te interagir com elementos do mapa e inimigos, podendo-os controlar e assim aprender formas de passar pelos obstáculos dos mapas, bem como ajudar a apanhar coletáveis.
Podes jogar usando os joycon presos na consola ou no acessório respetivo ou então usando as funcionalidades de movimento dos comandos, quando estão fora da consola.
A lista de movimentos é gigantesca, visualmente agradável e útil o suficiente para que penses que todo o movimento importa e não deve ser deixado ao esquecimento na tua “move pool”.
No entanto, uma crítica que tenho a fazer é que a lista de movimentos possíveis com os comandos presos na consola são mais complicados e reduzidos do que na versão com comandos de movimentos, tornado a experiência que deveria ser mais cómoda, mais complicada. Além disso, muitas vezes os movimentos são mal reconhecidos pelos comandos, executando a ação errada. Nada de desastroso, mas negativo.

E o Level Design?

O ponto mais alto do jogo. Super Mario Odissey é uma aula de Level Design. É um jogo que te está sempre a entregar estímulos novos a cada mapa, bem como novos bichos para domar com Cappy e colecionáveis aos montes, para que nunca percas a vontade de explorar. Depois pega nessas qualidades novas que aprendeste com esse mapa e coloca-te num mini boss (um capanga de Bowser) que te obriga a usar aquilo que aprendeste no mapa completo contra ele.

Deixando também uma nota adicional à possibilidade de trocar a roupa do Mario. Uma coisa básica, mas muito divertida e interativa. É um ponto a mais somado à qualidade do jogo.

Esperava também uma queda de FPS de vez em quando, já que o jogo contém mundos muito densos e bem detalhados, o que poderia dar trabalho à humilde Switch, algo que nunca aconteceu. Também não encontrei Bugs ou erros significativos, pelo que o resultado foi satisfatório.

Concluindo, Super Mario Odissey é uma aventura criativa, divertida e muito boa. Mostra mais uma vez a capacidade de metamorfose da parte da Nintendo em relação ao Mario, raramente mal feita e reforça as qualidades da Switch, bem como o seu potencial enquanto consola familiar, mas desafiadora. Muito satisfeito com a obra.

9.0
Score

Pros

  • Lista de movimentos cheia
  • Level Design perfeito
  • Customização do Mario
  • Frame Rate estável e sem Bugs

Cons

  • A lista de movimentos fica mais reduzida quando os Joy-Con estão no comando

Related posts