Subscribe Now
Trending News
Análises, Jogos

Final Fantasy VII (Nintendo Switch) – Análise

Com a corrida para o Final Fantasy VII Remake fiquei com o bichinho de jogar o jogo original, e escolhi jogar a versão da Nintendo Switch. Sendo um dos jogos mais aclamados de Final Fantasy que brevemente terá direito ao seu Remake (mesmo que seja por partes), tive curiosidade em perceber o que tornou á 20 anos atrás este jogo tão icónico.Jogando com olhos de uma criança dos anos 90 e percebendo as limitações da primeira Playstation na altura, ao ponto de o jogo original ter três CDs mostra-se o quão colossal é esta aventura.

O início de uma Fantástica Jornada

Nesta aventura encaramos a pele do famoso Cloud Strife um membro da SOLDIER que se juntou a um grupo de rebeldes chamado AVALANCHE formado pelo Barret, Tifa, Biigs e Wedge para acabar com os planos da Shinra, uma corporação que controla Midgar, a cidade industrial controlada pela mesma. A missão de Cloud a que ele está comprometido com a AVALANCHE é, explodir um dos reatores que extrai a energia Mako e acredita-se que ao extrair a mesma o Planeta perde a sua força vital e pode morrer. Posteriormente conhecemos Aerith uma rapariga doce e simpática que se junta a esta aventura e que nos ajuda a salvar a nossa companheira Tifa e é aí que a nossa jornada começa. Esta é capaz de ser uma das melhores narrativas que já experienciei sendo tão bem contada, o Mundo que tem variados locais para explorar seja na terra, no ar e no mar e ainda temos á disponibilidade váriados veículos para nos auxiliarem na nossa jornada, as personagens e os certos acontecimentos são bastante marcantes e o Sephiroth acaba de entrar para a minha lista de Vilões favoritos porque a partir de uma simples cena no jogo (feita brilhantemente devo dizer), mostrou-se ser aquele Boss final que quando fosse a altura de o derrotar-mos ficaríamos com o coração a mil.Mas este jogo não seria tão icónico sem a sua fantástica banda sonora, eu que nunca joguei o jogo e tive uma sensação nostálgica (talvez por já ter ouvido algumas destas músicas). As músicas feitas para este jogo conseguem complementar este mundo que foi criado ao ponto de eu ter ficado com muitas delas na cabeça.

 

Grind,Grind e mais Grind

O jogo trata-se de um RPG, ou seja, somos apresentados por um sistema de batalha e digamos que o sistema de combate para este jogo não é dos mais fáceis de engolir por serem batalhas em tempo real, basicamente temos um barra de espera por cada ataque conhecido como Limit e quando estamos a fazer a escolha do que queremos fazer o inimigo pode atacar nesse mesmo momento, é algo que achei pouco apelativo ao inicio mas fui-me habituando ao longo do tempo. Estão obviamente aqui os outros elementos incluídos como a Materia que servem para obtermos magia e outros atributos aos Party Members, também é possível “fundi-las” para fazer Materias como atributos misturados , quero salientar aqui que o jogo não é fácil por isso como todos os RPGs façam Grind! São introduzidos muitos minijogos ao longo do jogo como andar na moto Cloud(o que na altura deve ter explodido a cabeça a muita gente),corrida com Chocobos apesar de que o tempo não foi simpático com alguns deles porque o que na altura era incrível agora é só OK, dando o exemplo da sequência de snowboard do Cloud que foi bastante decepcionante mas acredito que antigamente explodia a cabeça a muitos, pois nós que estamos habituados a gráficos incríveis ao ver este jogo ficamos desconectados da experiência sendo um jogo da PlayStation 1 à primeira vista nota-se que este não envelheceu muito bem, até porque também tive bastantes dificuldades na compreensão de como funcionavam certas áreas, mas tirando esses ocorrentes acontecimentos este jogo é incrível.

 

Para sempre no meu coração

Final Fantasy 7 fica na minha lista dos meus jogos favoritos, tenho pena de o ter jogado tão tarde porque perdi uma fantástica história com um grupo de personagens memoráveis e um mundo bem construído. Apesar de o tempo não ter sido simpático com o jogo, mas digo para esquecerem o facto de que é um jogo datado e experimentarem ou então têm a opção de jogar o Remake sendo que para terem a historia completa do jogo ainda vão ter de esperar um bom bocado sendo que o Remake só vai até Midgar,Midgaaaaaaaaaaar!QUE SÃO SÓ AS PRIMEIRAS 10 HORAS DO JOGO!!!

 

8.0
Score

Pros

  • Personagens icónicos
  • Banda Sonora
  • Construção do Mundo
  • Alguns Minijogos divertidos

Cons

  • O jogo envelheceu mal
  • …ao ponto de eu me perder nos locais
  • Sistema de combate pouco convidativo

Final Verdict

Plataforma: Nintendo Switch Tamanho: 3.8 GB Línguas disponíveis: Alemão, Inglês, Espanhol, Francês,Japonês

Related posts