Artigos, Cinema

À conversa com Alan Tudyk na Comic Con

Foi na passada sexta feira, no segundo dia da Comic Con Portugal que estivemos a ouvir Alan Tudyk no palco Golden Theatre acerca dos seus trabalhos, com foco principal para a série Resident Alien protagonizada por ele mesmo, cuja 2ª temporada terminou em agosto no Syfy, e com uma 3ª temporada já confirmada.

O ator falou também sobre vários dos seus outros projetos onde esteve envolvido, passando entre as várias vozes e papeis que já representou para além do alien, como o android K-2SO e até um tucano.

Os vários papeis bizarros de Alan

A conversa principal passou à volta da sua mais recente série, Resident Alien, onde interpreta o alien protagonista, com um nome que até o próprio ator tem dificuldade em recordar, alien esse que mata e rouba a identidade do doutor Harry Vanderspeigle, sendo que esta comédia dramática se passa em volta deste alien que vai aprendendo aos poucos a ser “humano”.
Nesta conversa, é desenvolvida a dinâmica de fingir ser humano, explorando várias cenas à volta disto, como uma cena em que o alien tenta andar como uma pessoa comum, tropeçando várias vezes, à maneira de como ele come um frango inteiro com ossos incluídos (que Alan revela ser mais fácil do que aparenta ser), e nas várias falas fora do comum em contexto social da série.

cartaz da série Resident Alien

O ator falou-nos também noutros papeis a pedido de alguns dos espectadores que se chegaram à frente, entre os quais o android K-2SO, do filme spinoff de Star Wars Rogue One, do qual nos falou da experiência de representar um personagem com tanta tecnologia à volta para o meter nos ecrãs.
Alan tinha de manter uma postura muito direita para que a cabeça não ficasse enterrada no corpo devido às renderizações usadas e ao corpo largo do personagem, a aprender a andar com andas e a interpretar o personagem pelos movimentos do corpo visto que não tem expressões faciais.
Falou-nos também duma icónica cena em que o android dá um estalo na cara de Cassian (interpretado por Diego Luna), que aconteceu simplesmente por um erro de produção, pois tinham removido uma cena em que Cassian rebentava o lábio, isto quando o ator já tinha gravado toda uma outra cena posterior com a maquilhagem feita, ficando sem sentido ter o lábio naquele estado, daí então o estalo para retificar a situação.

palco Golden Theatre com Tiago Fernandes ao microfone a lançar questão a Alan Tudyk

Alan tocou também numa cena que revela uma grande desigualdade em termos de género no que diz direito a atuação. Em termos de gravações de cenas com nudez, quando feitas por mulheres, existe uma enorme restrição no número de pessoal presente, sendo este apenas o estritamente necessário para as filmagens das ditas cenas, num ambiente extremamente fechado. No entanto, quando se trata de um homem a mostrar o corpo, não existe qualquer restrição.
O ator usa como exemplo o filme Death at a Funeral, onde ele próprio interpreta uma cena nu em cima de um telhado, à vista de toda a gente nas redondezas, onde apareceu gente de vários departamentos nada a ver com as filmagens, para o ver como se fosse um espetáculo, revelando assim um enorme contraste dentro da indústria que deve ser levado mais a sério.

Foram também mencionadas várias das vozes que o ator fez ao longo dos anos, tal como a diferença nos dois tipos de atuação, sendo que quando a dar voz a um personagem, este geralmente só tem acesso a ilustrações da personagem, em diferentes poses e expressões que mostram a sua personalidade.

Uma das séries animadas que mais veio ao de cima foi Harley Quinn, onde Alan interpreta Joker e Clayface, numas versões adaptadas à natureza adulta e cómica da série. É realçado o quão diferentes estes personagens são dos originais, sendo o Joker basicamente o ex-namorado tóxico da protagonista (caso não tenham percebido, é a Harley Quinn), onde é muito explorada esta dinâmica de casal, e onde o Clayface é um ator de segunda categoria, e o típico estereótipo do indivíduo que pensa que tudo é desculpa para atuar, mas que é péssimo a fazê-lo, um tipo que Alan Tudyk está bem familiarizado, visto que se deve ter cruzado com uns quantos enquanto estudou encenação.

Revelou também que um dos maiores desafios que já teve pela frente foi dar voz a um tucano, mais em específico ao tucano do filme Encanto da Disney, sendo que inicialmente só conseguia imitar um dos vários tipos de som que saem do bico da ave, e que foi o papel que mais precisou de treinar.

Concluindo, foi uma conversa relaxada em bem humorada, que deu para conhecer mais do ator, e também para revelar alguma da magia por detrás das cortinas, e foi com todo o prazer que contribuí para este momento com este incrível ator.

Podem também ver por onde mais passámos nesse dia de Comic Con aqui, tal como outros artigos acerca do evento aqui na CaixaNerd.

Related posts